Vieira da Silva – A Memória do Mundo

00:54:00

Documentário dedicado à vida e obra da pintora portuguesa Maria Helena Vieira da Silva. O percurso artístico no estrangeiro, com destaque para a França e o Brasil, e o casamento com o pintor húngaro Arpad Szenes. Depoimentos de Mário Soares, Sommer Robeiro, Mário Cesariny e Manuel Cargaleiro, entre outros, intercalados com imagens de arquivo da pintora.

  • Nome do Programa: Vieira da Silva - A Memória do Mundo
  • Locais: Lisboa, Rio de Janeiro, Paris
  • Personalidades: Maria Helena Vieira da Silva, Arpad Szenes, Mário Soares, José Sommer Ribeiro, Jack Lang, Jean-François Jaeger, Mário Cesariny de Vasconcelos, Antoine Terrasse, Maria Fernanda, Manuel Cargaleiro, Jorge Martins, Carlos Scliar, Chiara Calzetta Jaeger, François Mitterrand
  • Temas: Artes e Cultura
  • Canal: RTP 2
  • Menções de responsabilidade: Produtor: Alice Milheiro, Olívia Vasques e Luís da Fonseca Realizador: Alexandre Reina
  • Tipo de conteúdo: Programa
  • Cor: Cor
  • Som: Mono
  • Relação do aspeto: 16:9 PAL

Resumo Analítico

Início do documentário em formato anamórfico de 16:9 com fotografia a preto e branco de Viera da Silva no atelier; vista e pormenores dos seus quadros. Declarações legendadas de Jack Lang, Ex-Ministro da Cultura de França, que a apelida de revolucionária da pintura, sequência de imagens em janela de quadro e da pintora a trabalhar, fotografias a preto e branco do rosto da mesma, pormenores do seu atelier e material de pintura. Declarações legendadas de Jean François Jaeger, Comité Vieira da Silva Paris, sobre a sua enorme capacidade de trabalho e do seu método, comparando-o ao de uma abelha rainha devido ao ritmo intenso, às múltiplas cores e pequenas pinceladas; planos muito próximos da sua pintura caracterizada por agrupamento e multiplicidade de modelos geométricos; interior de um prédio antigo e clarabóia. Declarações de Mário Cesariny, Pintor e Poeta, sobre a sua visita a um pátio interior de um prédio antigo na Rua das Chagas, onde habitou Vieira da Silva, com vários vitrais e azulejos, que serviu de base de inspiração ao estilo da artista. Sequência de fotografias a preto e branco da pintora enquanto bebé, ao colo dos seus pais, Maria da Silva Graça e de Marcos Vieira da Silva em 1908, e durante a sua infância na Suiça; plano contrapicado da fachada do prédio da Rua das Chagas. Excerto de declarações de Vieira da Silva, sobre o ambiente da sua infância; fotografias a preto e branco de exteriores da casa do seu avô materno, José Joaquim da Silva Graça, onde a pintora viveu após a morte do seu pai e do edifício do jornal "O Século", fundado por este seu avô. Declarações de Mário Soares, Ex-Presidente da República de Portugal, que caracteriza a sua educação segundo o modelo republicano e altos valores morais. Fotografias a preto e branco da época com a família de Vieira da Silva. Declarações de José Sommer Ribeiro, Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva, sobre o ambiente culto e aristocrático que envolveu a infância da artista e as viagens; vista de interior de biblioteca; imagens de arquivo a preto e branco em janela de combates da 1ª Guerra Mundial, desfile militar, miséria nas ruas; fotografia de Vieira da Silva criança, de ilustrações expressionistas do apocalipse e de Santo Estácio, fotografia de época com colegas. Declarações de José Sommer Ribeiro sobre os estudos de desenho e pintura de Vieira da Silva com Emília Santos Braga e Armando Lucena e de Anatomia Artística na Escola de Belas Artes de Lisboa devido ao seu interesse pela escultura. Fotografias a preto e branco sobre as revoluções populares frequentes na época, imagens a preto e branco em janela de movimento de rua e trânsito no Rossio; fotografia de rosto da pintora na adolescência; desenhos de ossos humanos e caveira. Ilustração da Torre Eiffel, em Paris, para onde foi viver em 1928, do atelier, fotografias de rosto da artista. 10m22: Sequência de imagens a preto e branco em janela de prédios em ruína e de cemitério de guerra. Exterior e fachada da Académie de La Grande Chaumière, Peinture et Sculpture, onde estudou escultura com Antoine Bourdelle, foto do mestre; fotografias a preto e branco do pintor húngaro, Arpad Szenes, e várias do mesmo com Vieira da Silva. Imagens de época a preto e branco e em janela de Budapeste. Declarações de Jean-François Jaeger, sobre a sedução da pintura de Arpad na jovem artista. Planos próximos das pinturas figurativas da artista nos primeiros tempos; jardim com esculturas, placa da casa habitada por George Sand, exterior de café parisiense e de lojas, entrada do metro e gare; alguns pormenores de salas do Museu Louvre, quadros impressionistas com destaque para "Os Jogadores de Cartas", de Cézanne; Auto-retrato de Vieira da Silva e Retrato de Família de 1930, sequência de pinturas impressionistas, cubistas e abstractas. Imagens a cores do Coliseu de Roma, de Veneza e outras para ilustração da viagem de estudo que a pintora empreendeu em 1930; vários quadros que influenciaram o seu estilo estético como Bonnard, Lorenzetti e Simone Martini. Declarações legendades de Antoine Terrasse, Historiador de arte Fontanebleu, sobre o estilo quadriculado de Vieira da Silva. Mostra de vários quadros da mesma, estudo a lápis e fotografias junto a Arpad Szenes com quem casa em 1930. Declarações de José Sommer Ribeiro, de Mário Soares, de Mário Cesariny e de Maria Fernanda, Actriz do Rio de Janeiro e filha de Cecília Meireles, sobre este casamento de pintores, no forte impulso que Vieira da Silva sofre na sua carreira e na perfeita simbiose entre ambos. Excerto de imagens a preto e branco e em janela do casal a visitar Budapeste, duas fotografias lado a lado de cada artista no atelier, Vieira da Silva e Arpad Szenes já idosos, pinturas, fotografias da ponte móvel do Porto de Marselha, França, de Lisboa, sítios por onde o casal passeou. Excerto de imagens de arquivo de entrevista a Vieira da Silva onde esta diz que o marido gostou de tudo em Portugal; exteriores e fachada da casa da sua mãe, em Sintra, vistas da paisagem a partir da janela, quadro da autoria da pintora que retrata esta paisagem; fotografia de Vieira e seu marido; bilhete de identidade da artista que perdeu a nacionalidade portuguesa, ganhou a nacionalidade húngara e tornou-se apátrida; fotografia da galerista Jeanne Boucher e da 1ª exposição individual de Vieira da Silva onde mostra estudos, esboços, gravuras, guaches e originais das ilustrações do livro infantil "Kô et Kô Les Deux Esquimaux". Nova fotografia de Vieira da Silva em casa junto a uma salamandra; plano muito próximo do seu quadro "O Quarto dos Azulejos" onde esteve acamada devido a doença, obras da sua autoria com destaque para a técnica dos quadradinhos, fotografias de Vieira e Arpad juntos e com amigos. 19m35: Declarações de José Sommmer Ribeiro sobre as tendências políticas de esquerda do casal; mostra de pinturas da artista; imagens de rua em Lisboa com o eléctrico em movimento, fotografia de Vieira junto à sua tela, excerto de imagens de ponte sobre o Sena a partir de veículo em movimento. Declarações legendadas de Jean-François Jaeger que comenta a pintura intitulada "Les Yeux ou Scala", mostra da mesma; várias fotografias do casal a trabalhar no atelier de Paris nos finais dos anos 30. Sequência de imagens em janela a preto e branco da guerra civil de Espanha. Declarações de José Sommer Ribeiro sobre a maneira como os refugiados desta guerra influenciam a pintura de Vieira e a sua militância e solidariedade em causas nobres; excerto de imagens dos mesmos. Sequência de imagens em janela a preto e branco sobre a ascênsão do nazismo e o III Reich; discurso de Hitler. Declarações de Manuel Cargaleiro, Pintor, sobre a vinda de Vieira e de Arpad para Portugal, devido à 2ª Guerra Mundial, e a não autorização das suas entradas na fronteira de Vilar Formoso. Vista em movimento a preto e branco de casario de Lisboa junto ao Tejo; imagens em janela da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, para onde o casal foi morar. Passaporte diplomático concedido pelo Estado brasileiro a Vieira da Silva, fotografias do casal no Brasil com amigos, do diplomata Murilo Mendes e Cecília Meireles, ambos poetas brasileiros. 25m39: Declarações de Maria Fernanda sobre a convivência do casal com outros artistas no Brasil, várias fotografias que ilustram este convívio, de sua mãe, notícia de jornal em inglês, excerto de imagens de arquivo em janela sobre a guerra, desfile militar nazi junto ao Arco do Triunfo, carruagens de mercadorias transportando pessoas para campos de concentração com a presença de militares armados; homem rasga cartaz de parede com ordem nazi. Declarações legendadas de Jean-François Jaeger sobre o distanciamento forçado que o casal teve da Europa e das suas raízes. Mostra de quadros de Vieira da Silva, com destaque para as obras "Le Metro" de 1940, sobre os parisienses a abrigarem-se nas estações do metropolitano durante os raides aéreos, "La Forêt des Erreurs", de 1941, "Le Désastre ou La Guerre" de 1943 e "Le Feu". Declarações de Manuel Cargaleiro que considera Vieira da Silva como a melhor pintora para sintetizar o drama da guerra, de Antoine Terrasse que compara a técnica de Viera da Silva a partituras de música, e de Carlos Scliar, Pintor Rio de Janeiro, sobre a influência do casal nos artistas brasileiros que com ele privavam. Sequência de fotografias com o casal e vários planos do painel de azulejos, "Quilómetro 44", que Vieira realizou para a Escola de Agronomia do Rio de Janeiro, entre outras. Declarações legendadas de Chiara Calzetta-Jaeger e de Denise Renard, Comité Vieira da Silva Paris, sobre o período brasileiro sombrio e triste na obra de Vieira. Imagens em janela a preto e branco de Nova Iorque, da Estátua da Liberdade e de ruas da cidade. Exteriores e fachada da Galeria Jeanne Bucher, em Paris e de Jean-François Jaegger, na época. Sequência de imagens em janela e a cores da cidade de Paris; várias fotografias do casal em 1947, altura do seu regresso à cidade e ao atelier no Boulevard St. Jacques. Novas declarações de Carlos Scliar; cartaz de apresentação da exposição de pintura de Vieira da Silva na Galeria Jeanne Bucher, fotografias da mesma e de Vieira da Silva com outros artistas, entre eles Manuel Cargaleiro; excerto de entrevista a Vieira da Silva, onde declara ser muito difícil traduzir a pintura em palavras, e a Denise Renard. 37m33: Fotografias do período em que Arpad Szenes dava aulas de pintura num atelier de amigos; mostra da 1ª obra adquirida pelo estado francês intitulada "La Partie D´Échecs", em 1948; declarações de Jack Lang e de José Sommer Ribeiro sobre os prémios. Imagens de arquivo RTP do casal já idoso numa exposição de pintura na Gulbenkian junto a Teresa Patrício Gouveia, entre outros; excerto de imagens de Vieira da Silva a escolher pincéis no seu atelier; vista próxima de obras suas; interior do seu atelier no Boulevard St. Jacques; interiores do novo atelier e exteriores da nova casa de morada em Paris e da casa de férias no campo nos anos 60, jardins; excerto de entrevista com Vieira da Silva no interior desta casa de campo; pequena série de fotografias de Vieira com o seu gato e com amigos. Entrevista com Jorge Martins, Pintor, sobre o facto do casal emprestar o atelier de Paris a jovens pintores, como foi o seu caso, sempre que passavam temporadas na casa de campo; imagens em janela desta habitação, passeio de ambos nas imediações e a trabalharem cada um no seu atelier. Continuação da entrevista com Jean-François Jaeger sobre o anti-vedetismo de Vieira da Silva. Vistas em movimento de exposições da artista. Excerto de imagens do reencontro do casal em casa no fim de um dia de trabalho, fotografias e planos em movimento dos seus quadros; imagens em janela de vitrais da sua autoria encomendados em 1965 para a Igreja de Saint Jacques, vários quadros. Declarações de Antoine Terrasse; imagens de arquivo RTP em janela da revolução do 25 de Abril de 1974; interior de atelier com imagens do cartaz pedido por Sophia de Mello Breyner a Vieira da Silva, para festejar este evento, e considerações da artista sobre a sua feitura enquanto vai pintando num pequeno bloco. 49m45: Grande plano do painel de azulejos da entrada do metro na Cidade Universitária e dos restantes constantes do seu interior (anos 80), da autoria de Vieira da Silva em colaboração com Manuel Cargaleiro; interior da estação de metro do Rato com azulejaria e bustos de Vieira e Arpad. Pormenores da pintura de Vieira após 1985 fortemente marcada pela morte do marido e onde se destaca uma diferente luminosidade. José Sommer Ribeiro comenta o contributo de Vieira no destaque do trabalho de Arpad após a sua morte, seu último tributo. Excerto de imagens de arquivo RTP sobre a festa do 80º aniversário da artista, da exposição retrospectiva da sua obra na Fundação Calouste Gulbenkian e da entrega do prémio da Grã Cruz da Ordem da Liberdade por Mário Soares. Exposição retrospectiva no Grand Palais, em Paris, com a presença de François Mitterrand. Exteriores das instalações da Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva, em Lisboa. Imagem fixa da artista a ser condecorada pelo Presidente francês, François Mitterrand, com o Grau de Oficial da Legião de Honra; fotografias da mesma nos últimos tempos; pormenores do seu último trabalho, quatro têmperas intituladas "La Lutte avec L´Ange", de 1992; pormenor da mão de Vieira da Silva a assinar o seu nome numa tela e a afastar-se.

Termos e condições de utilização

Os conteúdos disponíveis estão protegidos por direitos de propriedade industrial e direitos de autor. É expressamente proibida a sua exploração, reprodução, distribuição, transformação, exibição pública, comunicação pública e quaisquer outras formas de exploração sem a autorização prévia da RTP. O acesso aos conteúdos tem como único propósito o visionamento privado e educacional sem fins comerciais. Para mais informações, entre em contato com o arquivo da RTP através do seguinte endereço de correio eletrónico: arquivo@rtp.pt .